Novo aterro sanitário ajuda, mas não resolve o problema do lixo no DF
Novo aterro sanitário ajuda, mas não resolve o problema do lixo no DF
17 de janeiro de 2017
Trabalhadores da coleta de lixo fazem protesto contra condições de trabalho
17 de janeiro de 2017

Moradores pedem que Cooperativa de Reciclagem mude de local.
Prefeitura diz que ainda não há prazo para a mudança do espaço.

O espaço usado pela Cooperativa de Reciclagem de Manduri (SP) para armazenar os materiais recicláveis coletados do município está gerando reclamações dos moradores da área central, próximo à antiga estação ferroviária. Segundo eles, os sacos com os lixos, que deveriam ser vendidos e reutilizados, estão se acumulando no local, o que está causando transtornos.

Moradores reclamam do acúmulo de lixo reciclável em Manduri (Foto: Reprodução/TVTEM)
Moradores reclamam do acúmulo de lixo
reciclável em Manduri (Foto: Reprodução/TVTEM)

O comerciante Beto Nunes afirma que se sente prejudicado com o acúmulo do lixo. “Aqui junta muito mosquito. Eu faço espetinho e vem mosquito toda hora. Além do mau cheiro. Eles precisam trabalhar e eu sei que tem como montar um barracão no Bairro Industrial”, ressalta.

A  coleta seletiva acontece toda quarta-feira por funcionários públicos que recolhem o material. Cinco pessoas da Associação dos Coletores de Reciclagem da cidade são responsáveis pela separação e ficam com o dinheiro da venda. Contudo, como o volume é grande, os lixos estão ficando acumulados até serem vendidos. “Além de ser uma coisa muito feia olhando, temos caixas de leite, refrigerante, o que atrai mosquitos. O cheiro é muito ruim”, ressalta o taxista Sérgio de Jesus Lopes.

Outra situação que preocupa os moradores é que muitos materiais acabam ficando jogados e escondidos em um mato alto perto da estação ferroviária, como copos descartáveis que acumulam água e são criadouros do mosquito Aedes aegypti, causador da dengue, vírus da zika e chikungunya.

“O lixo que não serve para a reciclagem eles colocam fogo. O resto fica jogado, junta água quando chove e aí vem mosquito da dengue, rato e barata”, afirma a dona de casa Doralice Rodrigues Martins.

A mudança para um local adequado também é um pedido antigo dos integrantes da Associação, que negocia o lixo reciclável com a prefeitura. “A gente só quer o nosso barracão. Não precisa de luxo, mas que seja um espaço que dê para colocar tudo”, afirma a separadora de material reciclável Sandra Sena.

Perito ambiental ressalta que lixo não pode ficar acumulado (Foto: Reprodução/TVTEM)
Perito ambiental ressalta que lixo não pode
ficar acumulado (Foto: Reprodução/TVTEM)

Irregularidade
Segundo o perito ambiental de Avaré (SP) Heber Brianezi, o primeiro problema do local é a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para quem mexe no lixo. Além disso, Heber aponta que a separação e a destinação do material precisam ser imediatas para evitar que as pessoas fiquem expostas às contaminações.

“Não pode ficar acumulado e em três dias deve ter seu destino final, pois pode atrair animais peçonhentos, como cobras por exemplo. Então, o risco de um acidente com esse animal é muito grande”, afirma.

Soluções
A responsável pelo Setor de Meio Ambiente de Manduri, Elenir Aparecida Moraes, admite que o local não é adequado e diz que há um estudo para que a separação seja feita em outra área. “Já vem sendo discutido desde o final do semestre passado para agora no começo do ano solucionarmos o problema. Foi provisório esse espaço porque era pequena quantidade. Mas aumentou muito o volume e estamos tendo esse problema”, afirma.

A prefeitura de Manduri afirmou que não há um prazo para a mudança de local, porque ela não tem um espaço disponível. Também disse que não há um projeto de revitalização para a estação ferroviária, mas que pode cuidar do problema do mato alto no local. Quanto aos EPIs, o Departamento de Meio Ambiente da Prefeitura afirma que são fornecidos regularmente.

FONTE: G1

Site desenvolvido por:

Logo da Arte de Designer - Agência WEB - www.artededesigner.com
Abrir whatsapp
Posso lhe ajudar?