Cidades do Norte de SC gastam milhões para levar lixo a aterros a até 100 km de distância

Campinas tem 114 áreas com descarte irregular de lixo, afirma Prefeitura
16 de junho de 2017
Coletores de lixo de Piracicaba reclamam de falta de segurança e más condições de trabalho
16 de junho de 2017

Empresa tenta construir aterro em Guaramirim, mas enfrenta resistência da prefeitura e da população.

Impedidos por lei de manter lixões, municípios do Norte catarinense gastam milhões por ano para enviar seus resíduos a aterros sanitários distantes até 100 quilômetros. Para facilitar o descarte, uma empresa que presta o serviço tenta construir um aterro em Guararmirim, mas tanto a prefeitura quanto a população são contra, como mostrou a primeira reportagem da série especial exibida pelo RBS Notícias nesta quinta-feira (15).

Na região Norte de Santa Catarina, 24 cidades enviam os resíduos para Mafra. Sete mil toneladas chegam ao município todos os meses. O lixo é compactado para ter o volume diminuído. O montante acumulado tem uma altura equivalente ao uma prédio de 15 andares.

A pilha de resíduos foi erguida ao longo de 14 anos de atividade e em breve não poderá mais receber cargas da região. Só Jaraguá do Sul gasta cerca de R$ 15 milhões por ano para descartar o lixo no local. Desse valor, mais de R$ 1 milhão é gasto com transporte.

Aterro sanitário de Mafra recebe lixo de 24 cidades do Norte de SC (Foto: Reprodução RBS TV)

Aterro sanitário de Mafra recebe lixo de 24 cidades do Norte de SC (Foto: Reprodução RBS TV)

Proibição

Os lixões foram proibidos para evitar contaminações. Para diminuir os custos, uma empresa de coleta tenta criar um aterro em Guaramirim, mas a Fundação Estadual do Meio Ambiente ainda analisa o relatório de impacto ambiental para decidir se dá ou não licença para o projeto.

A prefeitura de Guaramirim não quer e diz que, no terreno, às margens da Rodovia do Arroz, existem nascentes. Outro argumento é de que uma lei federal impede o empreendimento. A administração municipal diz ainda que o aterro atrairia urubus, o que ofereceria riscos para aviação.

“Nós temos um aeródromo no município, registrado na Anac, desde 2015, nessa legislação, diz que o município tem que fazer um controle da fauna e controle das instalações e possíveis aterros num raio de 20 quilômetros. E esse estudo que a empresa está apresentando para a gente está dentro de um raio de 8,7 km”, disse o secretário de Planejamento de Guaramirim, Jiuvani Assis Assing.

População de Guaramirim é contra a instalação de um aterro sanitário na cidade (Foto: Reprodução RBS TV)

População de Guaramirim é contra a instalação de um aterro sanitário na cidade (Foto: Reprodução RBS TV)

Moradores são contra

O prefeito chegou a assinar um decreto para proibir o projeto. Os moradores também não querem, até espalharam cartazes pela rodovia.

“Estamos todos contra esse projeto, vai desvalorizar o lugar. A gente dá muito valor ao lugar, tem nascente aqui. Cada agricultor, tudo agricultura familiar”, disse a agricultora Elisabeth Teresinha Fagundes Rosa.

A reportagem da RBS TV procurou uma usina que pode transformar lixo em energia elétrica.

FONTE: G1

Site desenvolvido por:

Logo da Arte de Designer - Agência WEB - www.artededesigner.com
Abrir whatsapp
Posso lhe ajudar?