Empresa privada de coleta de lixo deve atuar em Florianópolis

Contrato feito de forma emergencial para coleta de lixo no ano de 2014 é rejeitado pelo TCE
Contrato feito de forma emergencial para coleta de lixo no ano de 2014 é rejeitado pelo TCE
7 de julho de 2017
Contribuintes que pagaram taxa de lixo podem pedir devolução
Contribuintes que pagaram taxa de lixo podem pedir devolução.
13 de julho de 2017

Anúncio foi feito nesta quarta-feira (12). Comcap está em greve desde segunda (10).

Prefeitura anunciou contratação nesta quarta-feira (12) (Foto: Gabriela Machado/RBS TV)

Prefeitura anunciou contratação nesta quarta-feira (12) (Foto: Gabriela Machado/RBS TV)

 

No terceiro dia de greve dos trabalhadores da Companhia Melhoramentos da Capital (Comcap), o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, informou na tarde desta quarta-feira (12) que a empresa privada TOS Ambiental deverá fazer a coleta de lixo, em caráter emergencial, a partir de sexta (14).
O serviço está avaliado em R$ 550 mil, R$ 40 mil para custear o início da operação e outros R$ 35 mil ao dia. O contrato é de 15 dias. A empresa tem sede em Maravilha e Chapecó, no Oeste catarinense.
Ainda de acordo com o prefeito, entre 50 e 60 pessoas vão operar 10 caminhões na coleta de resíduos. Caso a Comcap encerre a greve, não haverá custo de rescisão, informou a prefeitura.
Medida é preventiva
O prefeito ainda esclarece que a medida é cautelar, ou seja, caso antes de sexta-feira (14) sejam retomados os serviços, a contratação também é cancelada.
“Eu tenho que trabalhar preventivamente, porque uma empresa precisa de 48 horas para mobilizar sua estrutura para atender a prefeitura. Temos um contrato estabelecido que só passa a ter vigor quando iniciadas as atividades. Se suspender a greve, não terá nenhum custo para a prefeitura”, disse Gean Loureiro
Atualmente, a coleta de lixo da cidade é feita com as caçambas da prefeitura e da Floram [Fundação do Meio Ambiente de Florianópolis], como explica o presidente da Comcap, Carlos Alberto Martins. A maior preocupação com a falta de recolhimento de lixo é quanto à disseminação de doenças, baratas e ratos.
“Estamos conseguindo atacar casos mais relevantes, nos bairros, em geradores de resíduos mais relevantes, como hospitais e clínicas. (…) Já devemos ter 2,5 mil toneladas de lixo depositadas nas ruas da cidade”, disse Martins.
Na normalidade, são em torno de 22 caminhões durante três turnos de coleta, o equivalente a 60 caminhões.

 

FONTE: G1

Site desenvolvido por:

Logo da Arte de Designer - Agência WEB - www.artededesigner.com
Abrir whatsapp
Posso lhe ajudar?