Mesmo com novo aterro sanitário, DF ainda não recicla o lixo corretamente

Mutirões de limpeza já removeram 3.800 toneladas de lixo em São Vicente
Mutirões de limpeza já removeram 3.800 toneladas de lixo em São Vicente
27 de janeiro de 2017
Greve de trabalhadores paralisa coleta de lixo em São Bernardo do Campo
Greve de trabalhadores paralisa coleta de lixo em São Bernardo do Campo
1 de fevereiro de 2017

O Distrito Federal tirou do papel o novo aterro sanitário, que estará em pleno funcionamento em um ano e meio. Mas ainda há muitos desafios para o completo aproveitamento do lixo: não existe, por exemplo, previsão para a reciclagem de vidro

Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press

Brasília ainda não dispõe de tratamento de lixo para vidros, passados 24 anos da criação da Lei Distrital nº 462, que dispõe sobre a reciclagem de resíduos sólidos no Distrito Federal. O não aproveitamento é, na verdade, um desperdício. O país perde R$ 8 bilhões por ano por enterrar o lixo que pode ser reaproveitado. Se o Distrito Federal reciclasse a metade dos resíduos que produz, poderia gerar 60 mil empregos diretos, 100 mil indiretos e uma receita de R$ 250 milhões por ano, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), da Universidade de Brasília (UnB) e da Central das Cooperativas do DF (Centcoop).

Segundo a diretora-presidente do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), Kátia Campos, o Distrito Federal recolhe 2,7 mil toneladas de lixo por dia. Brasília é a terceira cidade que mais gera lixo no país. Porém, ainda não desenvolveu condições técnicas, econômicas e financeiras para viabilizar o processo de reciclagem de vidro. “No caso do Distrito Federal, a fábrica mais próxima fica em São Paulo e o custo do transporte do vidro é maior do que o valor da mercadoria, sem contar o grande trabalho envolvido na separação e os riscos para a saúde daqueles que o manuseiam durante o processo”, admite.

O presidente da cooperativa de catadores Recicle a Vida, Cleusimar Andrade, afirma que, hoje, a cooperativa é a única de Brasília que faz a separação do vidro, mas não processa. “A reciclagem de vidro ainda é um problema no Distrito Federal. Vendemos a tonelada de vidro por R$ 140 para uma indústria de São Paulo. Porém, o custo do transporte é maior. Fazemos esse trabalho por consciência ambiental, mas não dá nenhum retorno financeiro”, diz. Ele acrescenta que, a cada três meses, envia para São Paulo 30 toneladas de vidro.

A cooperativa Recicle a Vida funciona, desde 2006, em um galpão de mais de 10 mil metros quadrados em Ceilândia, com mais de 70 catadores que trabalham na coleta, separação e reciclagem do lixo. A cooperativa também promove atividades que possibilitam transformar a vida dos catadores. No ano passado, foi oferecida uma oficina de biscuit, que consiste em fazer bonecos com massa de modelar.

A catadora Vilani Freitas, presidente da cooperativa R3, em Santa Maria, fez o curso e aprendeu a técnica. Ela conta que já fazia trabalhos artesanais havia mais de 10 anos e aproveitou esse curso para se aperfeiçoar. Das lâmpadas fluorescentes são criados vasos de flores; dos potes de maionese, nascem peças que podem servir de guarda-mantimentos. Vilani diz que praticamente todo o material utilizado vem do lixo. “Este é o grande diferencial do meu trabalho”, pontua. Além de divulgar todas as peças no grupo do WhatsApp das artesãs do Guará, ela participa de feiras de artesanato regularmente, o que possibilita ter uma renda extra.

 

FONTE: C orreio Braziliense

Site desenvolvido por:

Logo da Arte de Designer - Agência WEB - www.artededesigner.com
Abrir whatsapp
Posso lhe ajudar?