MPT adverte empresas fora dos padrões de coleta seletiva de lixo em Maceió

Materiais hospitalares fora dos containers de lixo
Containeres de lixo com sangue fora do hospital de Ariquemes repercute na web
8 de setembro de 2017
coleta de lixo seletiva nas escolas
Dezesseis escolas do Barreiro vão contar com a coleta seletiva do lixo
16 de setembro de 2017

Audiência pública para discutir este tema aconteceu na manhã desta quarta-feira

coleta seletiva de lixo em MaceióFOTO: GILBERTO FARIAS

Uma audiência pública realizada na manhã desta quarta-feira (13), em Maceió, discutiu a implantação obrigatória da coleta seletiva dos grandes geradores de lixo da capital. Além disso, 12 empresas também foram premiadas por fazer a coleta adequadamente. O evento é do Ministério Público do Trabalho, em parceria com a Superintendência de Limpeza Urbana de Maceió (Slum) e a Braskem. O MPT já identificou ao menos 57 empresas que estão fora dos padrões. Caso elas não se regularizem, sanções devem ser adotadas.

Para a audiência pública, o MPT chamou estas 57 empresas que ainda não se adequaram a essa coleta. “Elas, de alguma forma, estão pegando os resíduos sólidos e entregando ou pagando para a atual empresa que venceu a licitação entregar esse material no aterro. Só que isso precisa ser direcionado para as cooperativas de catadores. Então, de alguma forma, eles estão recolhendo o lixo para o aterro, mas não de forma correta, e a audiência pública é para discutir isso”, comenta a procuradora.

Se as 57 empresas não se adequarem, o MPT deve expedir uma recomendação notificatória para que elas cumpram com as obrigações legais. “Se elas encaminharem o lixo para a Slum sem pagar, naturalmente são multadas pelo município. E se não se adequarem à coleta com as cooperativas, vamos tentar uma adequação judicial, mas essa não é a busca. A ideia é conversar”.

coleta seletiva de lixo em MaceióFOTO: GILBERTO FARIAS

Segundo o superintendente da Slum, Davi Maia, os estabelecimentos premiados não são os únicos que realizam o serviço, mas são os mais atuantes.

“Eles são os que mais separam os resíduos, os que mais são geradores de material e que pagam por isso. Os grandes geradores são obrigados por lei a pagar pelo descarte, tanto o orgânico quanto o reciclado. O que acontece é que muitos ou estão vendendo ou não querem contratar a cooperativa, querem fazer por favor. E isso tem um custo. Todo mundo é responsável pelo lixo que produz e os grandes geradores também. O poder público banca o custo da coleta domiciliar. todo o empreendedor que produz acima de cem litros de lixo por dia tem que bancar esse custo, que não é alto”, revela.

Ele acrescentou que a coleta seletiva beneficia 80 famílias só na capital. “O resíduo tem uma destinação correta e adequada e ainda gera renda. São 80 famílias trabalhando só com isso hoje e a ideia é que incremente, que tenhamos mais cooperativas em maceió, mais famílias trabalhando com reciclagem”.

Ele lembrou da coleta seletiva domiciliar. Segundo o superintendente, a prefeitura não tem gastado dinheiro a mais com isso, porque o que a gestão fez foi transferir o dinheiro que ia para as empresas privadas diretamente para as cooperativas. Apesar disso, o descarte irregular ainda é grande.

“São 29 mil toneladas por mês de resíduo domiciliar. Gastamos em média R$ 2,5 milhões só com aterro sanitário, que recebe 916 toneladas por dia. Além disso, 40% desses resíduos poderiam ser reciclados e gerar nova economia. É dinheiro jogado literalmente num burado lá no aterro. Se tivéssemos 100% da cidade com coleta seletiva, estaríamos economizando R$ 1 milhão por mês. Isso dá um terço do que arrecadamos com o IPTU. Os impostos da cidade poderiam ser até mais baratos se todo mundo fizesse sua parte”.

Davi afirmou que o aterro sanitário só tem mais 15 anos. “Quanto mais as pessoas fizerem a separação dos seus resíduos e quanto menos material chegar lá, mais ele dura. Podemos ganhar cinco, dez anos com o aterro. Todo mundo lembra a briga que foi para arrumar o terreno no Benedito Bentes. Daqui a dez anos, onde vamos arrumar outra área para colocar material? A população toda tem que se adequar”, avalia.

Adir de Abreu, procuradora do Trabalho, acrescentou que esse é um segundo momento, envolvendo os grandes geradores. O primeiro foi a parceria com o município para a coleta seletiva domiciliar.

“São aqueles que produzem resíduos sólidos recicláveis num tal montante que a lei diz que não é recolhido pelo município. Eles precisam pagar para recolher o lixo deles, que vai para o aterro sanitário. Pela legislação, as cooperativas têm o direito de receber esse lixo e a entrega remunerada deve ser feita pra elas. Hoje estamos reconhecendo as empresas que fazem isso, após uma avaliação das cooperativas”, explica.

FONTE: GAZETA WEB

Site desenvolvido por:

Logo da Arte de Designer - Agência WEB - www.artededesigner.com
Abrir whatsapp
Posso lhe ajudar?